Pages

Assista A Introdução

sábado, 7 de agosto de 2010

OUÇA NO VOLUME MAXIMO


Ela trás sempre uma flor no cabelo

E recita poesias o dia inteiro

Tenta me explicar coisa que não entendo

Canta musicas de Dylan enquanto se olha frente ao espelho



Eu ate fiz uma canção para você

Eu desejava tanto por inteiro

Aquilo que só sabia pelo meio

Enquanto posta a mesa mel e pão com centeio



Suas idéia a respeito da Guerra

Metralhadoras campos de concentração...

Eu não te entendo, mas admiro e tenho respeito

Tanto que te desejei como a brisa traga pelo vento

Naquelas tardes que o sol brilha laranja quase vermelho



Em nosso apartamento ouvíamos no volume Maximo

Tantos sons undergroud quantos pop star World

E na hora de dormir Belle And Sebastian para mim

Você preferia The smitts, Joy Division, Echo The Bunnymen e The Cure



Lembra daquele fim de tarde frio em São Paulo

Em que assistimos Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças

Você me sorriu quando chorei ao final do filme

Mais também pude te ver chorar assistindo La Vita e Bella com Roberto Benigni



Tudo parecia tão perfeito

Mais neste mundo de carne e osso

O que é perfeito é ilusório

As horas que correm em relógio sem ponteiro.


ANDERSONSC

2 comentários:

Valéria Sorohan disse...

O amor nos faz poesias. Somos apenas seu instrumento. E teu poema nos remete àquelas lembranças embalada com trilha sonora. Ser o poema de alguém é muito bom. Principalmente quando há a reciprocidade.

BeijoooO*

Samantha Beduschi Santana disse...

Pois é... eu diria que a memória é um relógio sem ponteiros. Os momentos dourados da nossa vida sempre têm um espaço especialmente reservado para eles dentro de nós. Que consigamos deixar os momentos escuros bem longe do pensamento e também do coração...

Beijos
Samantha